Lou Ford ( Casey Affleck ) é um delegado da pequena cidade de Oklahoma nos anos 40 e cidadão respeitado. Um dia, a pedido do delegado t...

130 - O Assassino em Mim (The Killer inside Me/Michael Winterbottom/2010)


Lou Ford (Casey Affleck) é um delegado da pequena cidade de Oklahoma nos anos 40 e cidadão respeitado. Um dia, a pedido do delegado titular, Lou vai visitar Joyce (Jéssica Alba), uma prostituta que esta envolvida com o filho de Chester Conway (Ned Beatty), um figurão e empreiteiro local, a fim de manda - la embora da cidade. No primeiro contato, Lou e Joyce se estranham, mas depois desenvolvem um estranho romance, baseado em sexo e violência.
Lou também namora Amy (Kate Hudson), uma jovem preocupada somente no seu casamento com o delegado e que faz vista grossa para as ações do namorado. Lou Ford tem como colaborador Joe Rothman (Elias Koteas), o líder do sindicato local e desafeto declarado de Conway. Durante a investigação do acidente que vitimou o irmão adotivo de Lou, Joe descobre que na verdade Conway armou uma situação e que o acidente se revelou um assassinato. Esse fato acaba servindo como mola propulsora para Lou Ford desenvolver inicialmente uma vingança que vai se transformando em uma psicopatia, levando – o a cometer vários assassinatos.
O Assassino em Mim foi um filme que me impressionou bastante, tanto pela violência, quanto pela atuação de Casey Affleck, que repete com maestria a boa representação de um sujeito cheio de demônios interiores e dubiedades apresentada também em O Assassinato de Jesse James pelo Covarde Robert Ford. Curioso como nos dois filmes os personagens de Casey tem Ford no nome.
Sinceramente, não acreditava que o diretor que fez o chato Nove Canções poderia entregar um filme tão contundente e visceral. O inglês Michael Winterbottom traça muito bem e sem pressa o perfil do protagonista assassino e cria uma atmosfera de negligencia, principalmente com as mulheres do filme, que são representadas de maneira bem machista e amoral. A cena em que surra Jéssica Alba é uma das mais fortes já feitas no cinema, impressionantemente real e cruel.
O Assassino em Mim pode ser considerada uma obra ousada, até por usar o assassino como protagonista, mas também ganha pontos por não enaltece – lo em nenhum momento, registra o meio em que vive e como o passado influenciou negativamente o caráter do rapaz. Nota 08.

2 comentários:

B-Cine disse...

Eu estou com 3 filmes gravados do Winterbttom Marcelão incluindo aí 9 canções que eu já assisti mas não lembro de quase nada.

Celo Silva disse...

Brunão, 9 canções apesar da quantidade de cenas de sexo achei chato, mas Assassino em Mim é bem instigante. Confira.