Se tem um cineasta na atualidade que merece todos os louvores, esse é o espanhol Pedro Almodóvar , o talentoso diretor filma somente na E...

312 - A Pele que Habito (La Piel que Habito/Pedro Almodóvar/2011)


Se tem um cineasta na atualidade que merece todos os louvores, esse é o espanhol Pedro Almodóvar, o talentoso diretor filma somente na Espanha, na sua maioria das vezes com atores locais e trazendo todas as particularidades de sua latinidade. Poderia ganhar mais dinheiro trabalhando como diretor de aluguel, mas defende seus princípios, fazendo filmes autorais que transitam entre gêneros, mas sempre com toques pessoais que costumam elevar suas obras, que mesmo quando não são excelentes, se apresentam no mínimo interessantes. Esse é Almodóvar, seu cinema é amado pelos cinéfilos e atualmente sua abrangência é tão grande que ousaria dizer que sua arte passou a ser popular, e merecidamente.

Trazer um texto sobre sua mais recente e excelente realização, A Pele que Habito, sem conter revelações que possam estragar o prazer de quem venha a assistir é um desafio, porque o próprio filme tem o principio de ser misterioso e a partir da premissa inicial do cirurgião plástico Robert Ledgard (Antonio Banderas) que parece ter desenvolvido uma pele artificial que vem sendo testada em uma paciente que mantém enclausurada em sua casa/clinica a historia vai se formando. Então tentando não revelar as melhores partes da obra, é possível que o verdadeiro sentimento pelo filme não seja exarcebado no texto. Alias, são em filmes como esse que eu gostaria de ser um talentoso escritor e poder exaltar com palavras todo o verdadeiro prazer e reflexão que essa obra me proporcionou e ainda vai proporcionar.

Em A Pele que Habito, o diretor trás uma obra que flerta bem perto com o cinema de horror, é inegável a influencia do gênero, como se esse fosse o "filme de monstro" de Almodóvar. Apesar de não trazer a dramaticidade quase novelesca de outras obras suas, não deixa de ter seu arco dramático formado, seja na genialidade louca do personagem de Antonio Banderas ou na fuga interior de Vera (Elena Anaya), a jovem aprisionada que guarda todo um mistério bem especial e que impulsiona a trama ou ainda na empregada Marilia (Marisa Paredes) que guarda alguns segredos relativos ao cirurgião que não é apenas seu empregador. Com esse iminente ambiente Almodovariano formado, fica difícil não se envolver realmente. Quando os mistérios são revelados, os sentimentos dos personagens parecem ser os nossos e alguns podem ser bastante doloridos, principalmente para o público masculino.

Almodóvar já provou inúmeras vezes que vê os homens como monstros, lhes nega ternura ou compaixão, suas heroínas são mulheres e o masculino somente parecem ter sentimentos quando o personagem é homossexual e talvez em A Pele que Habito ele tenha ido até o fundo nessa situação. Só que aqui ele apresenta motivos para tais atos cruéis de Robert Ledgard, mesmo sendo reprováveis, o homem tem sentimentos feridos, maculados por pessoas que o fizeram sofrer e talvez isso tenha gerado o monstro que é apresentado. Um filme para ser visto e revisto, de um autor com pleno domínio de sua arte. 




21 comentários:

J. BRUNO disse...

Cara não consigo mais conter a ansiedade de assistir a este filme, não costumo fazer isso, mas tão logo eu ache um arquivo com qualidade legal para download eu vou baixar! PRONTO FALEI!

renatocinema disse...

Hoje assisti o saudoso Labirinto de Paixões, pequena obra-prima. Estou curioso por esse reencontro do mestre com Banderas.


Abraços

J. BRUNO disse...

Seu post ainda me deu mais curiosidade!!!

De fato, fiquei mais instigado a ver, na verdade motivado - a palavra certa. O filme tem agradado a todos, menos o cinéfilo amigo nosso, Rodrigo, que não gostou, rs.

Pelo visto, é uma obra, desde já, marcante e que promove reflexão. Que bom, então!

Abraço!

Kamila disse...

Eu achei esse filme surpreendente. Só um gênio como o Almovódar para revelar o grande segredo da trama no meio do filme e continuar deixando seu filme atraente pra gente. Aquela sequência final é meu momento favorito do cinema em 2011. E esse filme é sensacional. Diferente de tudo que Almodóvar fez, mas reafirmando, ao mesmo tempo, todos aqueles elementos que são recorrentes do cinema dele.

Beleza de texto, Celo. Ao mesmo tempo contido e emocionado.

O momento final do filme conseguiu ultrapassar em força, para mim, os momentos favoritos de ALÉM DA VIDA, de Clint Eastwood, que acho que ainda é o meu favorito do ano. Mas o filme do Almodóvar é de arrepiar! Mestre!

LELLA disse...

Beleza de texto. [2]

Mais ainda que conseguiu não trazer spoiler diretos :)

Como citei no subtítulo do meu texto: é uma Obra-prima!

E até por isso, imperdoável que seja exibido em locais bem restritos.

LELLA disse...

E reforçando o que a Kamila disse:

"Só um gênio como o Almovódar para revelar o grande segredo da trama no meio do filme e continuar deixando seu filme atraente pra gente." [2]

Estou com vontade de vê-lo, mas ainda não deu. Mas não acho que Pedro Almodovar seja o cineasta mais respeitável da atualidade. Na minha opinião, ele é o cineasta mais pretensioso que já existiu e consegue sucesso e reconhecimento porque tem amizade com muita gente influente.

Mas isso não me impede de eventualmente me interessar por um filme seu. Pretendo ver esse.

Celo Silva disse...

Bruno, é um filme q vale ser visto no cinema, mas a falta de opção não torna um download um pecado...hehhe;

Renato, grande filme! Espero q goste;

Cris, pelo q te conheço, acho q vai gostar.

Celo Silva disse...

Kamila, tem td a razão no seu comentario, a sequencia final esta nos pontos altos de 2011;

Ailton, vlw pelo elogio, vindo de vc, sabe q é importante. Acho q PELE QUE HABITO, vai habitar facil no Top 5 de 2011;

Lella, endosso td q disse, genial esse Almodovar!

Celo Silva disse...

Fabio, acho q a pretensão é um adjetivo q faz parte das pessoas diferenciadas, o cara tem q ter a pretensão de ser foda mesmo! Se vai ficar se contendo, não chega a lugar algum. E acho q como filma, Almodovar é um dos mais respeitados no mundo, mantem suas convicções e não se vende. Tb não veja o seu sucesso ligado a pessoas influentes, pode e deve conhecer pessoas q merecidamente incenssam seu trabalho, mas o sucesso dele é popular, não tem haver com diretores q são apenas aclamados pela critica. Vc vê pessoas de tds os tipos elogiando e assistindo Almodovar, acho q esse é seu verdadeiro sucesso, por isso não vejo isso ligado a pessoas influentes, mas enfim, é sua opinião, posso discordar, mas respeito.

Abs a Tds!

Todo filme de Almodóvar é imperdível, inclusive este A pele que habito que está sendo muito criticado pelo diretor ter mudado de gênero.

Taí um texto crítico bastante instigante e justo sem revelar nenhuma surpresa. Não que o que se revele seja surpresa de fato...
Abs

Celo, meu querido Celo... depoiis de ler seu texto só posso dizer que minha vontade de ver o filme triplicou!!!!!!! :)

Amanda Aouad disse...

Pois é, Celo, também adorei o filme. Assim como seu texto, instigante tanto quanto Almodovar em A Pele que Habito.

bjs

alan raspante disse...

Este eu quero ver no cinema =)

Celo Silva disse...

Gilberto, todo Almodovar é imperdivel mesmo! Não achei uma transição tão grande assim, mesmo flertando com um cinema de horror, há muito do universo almodovariano presente;

Reinaldo, mas como já foi dito, é louvavel como o diretor mantem a atenção do publico mesmo revelando o segredo no meio do filme;

Joicy, então veja correndo!...hehhee.

Celo Silva disse...

Amanda, vlw pelo elogio! vindo de vc fico lisonjeado!;

Alan, vale muito uma ida ao cinema mesmo!;

Abs a tds! E obrigado pela constante interação!

Jacques disse...

Ainda não assisti a esse filme,Celo, mas pelo que falam, ele é perturbador e desafiador para quem o assiste.
Deve ser por isso que muita gente falou mal dele.
Valeu.

Celo Silva disse...

Jacques, talvez esse seja um dos motivos q tenham dividido as opiniões mesmo, mas fazer o q? As obras diferenciadas quase sempre não são unanimidades. VLw pela visita e volte sempre!