Rachel, Stephan e David são três agentes da Mossad isralense que são enviados para a Alemanha Oriental em 1965, em plena Guerra fria, co...

360 - No Limite da Mentira (The Debt/John Madden/2010)


Rachel, Stephan e David são três agentes da Mossad isralense que são enviados para a Alemanha Oriental em 1965, em plena Guerra fria, com a missão de seqüestrar o médico criminoso nazista conhecido como Dieter Vogel (Jesper Christensen) ou mais famoso pela alcunha de o “Cirurgião de Birkenau” que recebeu pelos inúmeros experimentos tenebrosos que fez com o povo Judeu durante a guerra. A dita missão não sai como o esperado e os envolvidos se vêem presos a um segredo que os atormentará a vida toda.

Desse ponto que a obra do experiente diretor John Madden, de filmes como Shakespeare Apaixonado e O Capitão Corelli, começa a desfiar a misteriosa conspiração que envolve os três agentes, alternando os acontecimentos do passado, mostrando o cativeiro em que mantiveram Vogel, aonde Rachel, Stephan e David são representados respectivamente por Jéssica Chastain, Marton Csókas e Sam Worthington e o presente que se situa no ano de 1997 aonde são encarnados também respectivamente por Hellen Mirren, Tom Wilkinson e Ciarán Hinds.

Madden dirige esse roteiro escrito por Matthew Vaugh, de Kick Ass, e consegue criar certo interesse do espectador com seu filme, principalmente nas cenas passadas em 1965, em que Jéssica Chastain amostra porque vem sendo aclamada como uma das melhores atrizes do ano de 2011. A moça cria uma Rachel tão forte que a concepção da oscarizada Mirren para o mesmo personagem chega quase a não convencer, mas essa não é a principal imperfeição de No Limite da Mentira. O filme tem problemas de ritmo que incomodam, principalmente quando a historia surge em 1997. Tanto que essa vertente da trama parece diminuída, talvez tenha tido cortes na edição final, porque faz o filme parecer pouco empolgante, principalmente quando as seqüências que são para gerar clímax inexplicavelmente são entrecortadas por outros flashbacks soltos que parecem sem sentido para a narrativa, fazendo ainda parecer um bocado de enrolação ou mesmo algum tipo de capricho do diretor.

Pelo conjunto final, No Limite da Mentira não chega a ser decepcionante ou ruim, fica mais perto de um razoável ou até bom, mas com gosto de que poderia ser bem melhor, até pelos nomes talentosos envolvidos. Madden apesar de mais experiência com obras dramáticas comete boas seqüências de ação e tensão, algumas outras emotivas com certa propriedade, reafirmando principalmente quando Chastain surge em cena nessa obra que em certos momentos também elucida uma possível direção de atores frouxa e que ainda faltou engendrar melhor as linhas temporais, o que afasta ou pode fazer o espectador ver a realização com certo distanciamento e que inevitavelmente faz desse filme algo que provavelmente logo será esquecido.


9 comentários:

renatocinema disse...

Amigo passei para desejar um ótimo 2012. Abraços e até o ano novo.

Esse eu não assisti... o enredo me interessou, mas, quando vc disse que fica mais perto do razoavel, fiquei com um pé atras! rs

Ah, tomei a liberdade de citar vc, entre os nomes queridos da minha blogosfera, na última postagem! Confira...

bjinho JoicySorciere - Blog Umas e outras...

Amanda Aouad disse...

Quanto mais filmes eu vejo, mais percebo que ainda falta tantos para ver, hehe. A sua jornada nos últimos dias me mostrou vários.

Quando vejo o nome do John Madden, fico é desanimado. hehe. Até agora não gostei nada que vi dele.

Chris disse...

Muito massa teu blog. Adoro cinema. Minha monografia é sobre o Titanic *-* Abraços

J. BRUNO disse...

Jéssica Chastain é mais uma que prova que este ano no cinema foi definitivamente das mulheres, ela está sublime em "A Árvore da Vida" e em "Histórias Cruzadas"... este filme é um dos que tá na minha lista de férias... Janeiro vou tentar colocar estas pendências cinematográficas em dia...

Tá chegando o fim do ano hem Celo, só faltam 5 (Corra, Celo, Corra!), já queria deixar o desafio de "Outro ano e outros 365 filmes"!

Hugo disse...

Não conhecia este filme e gostei do tema, além dos bons nomes envolvidos.

Abraço

Celo Silva disse...

Renato, meu caro, FEliz 2012 para vc tb! Boa Viagem tb!;

Joicy, mas p filme não é de todo ruim, vale uma olhada sim, valeu pela consideração minha cara amiga, deixei um comment no teu blog;

Amanda, mas não é isso q motiva nós cinéfilos?...hehehe.]

Abs!

Celo Silva disse...

Ailton, ele tb não me inspira muito, mas gosto de Shakeaspeare Apaixonado;

Chris, valeu pela visita e pelo elogio, não sou muito fã de TITANIC, mas é valido para uma monografia sim;

Bruno, Chastain já é minha musa do ano, apaixonei pela mulher...hehehe...gostei da citação a um dos meus filmes preferidos (CORRA LOLA CORRA. outro desafio desse? Haja folêgo cinéfilo...heheh..mas pretendo continuar escrevendo, vem novidade por aí!

Hugo, a temática é boa mesmo, mas o filme em si capenga um pouco, mas vale ser visto sim.

Abs a Tds!