Sou a favor de qualquer tipo de cinema e narrativa, seja com a mesma truncada, fragmentada, de trás para frente, tramas paralelas que se cr...

353 - Histórias Cruzadas (The Help/Tate Taylor/2011)


Sou a favor de qualquer tipo de cinema e narrativa, seja com a mesma truncada, fragmentada, de trás para frente, tramas paralelas que se cruzam ou mesmo filmes que não tenham história, mas que de uma forma ou de outra tenham um atrativo que valide uma sessão. Porém, costumo dizer que tenho que ser sincero, e seguindo esse meu lema, em termos de cinematografia confesso que me agrada muito assistir um filme em sua forma mais tradicionalista: com inicio, meio e fim e ainda assim ser surpreendido por um plot aparentemente comum, mas bem contado na essência, sem fugas para contornar problemas ou distrair a atenção do expectador, o que é o caso de Histórias Cruzadas, produção que ganhou mais notoriedade recentemente por ter ganho algumas indicações para as diversas premiações da temporada americana.

Histórias Cruzadas é um filme que no alto de seus 150 minutos de exibição em nenhum momento passa sensação de chato, na verdade a historia flui de uma maneira incrível, logo nos apegamos aos personagens bem caracterizados e defendidos de maneira incrível pelo elenco feminino que protagoniza o filme, já que a visão das histórias de racismos e maus tratos sofridos pelas empregadas domésticas de uma cidade do Mississipi nos anos 60 que rendeu um livro chamado The Help é apresentada unicamente pelo ponto de vista feminino. Em um universo formado por donas de casas brancas, acostumadas aos privilégios e mimos que recebem desde sempre, eis que surge a jovem escritora Skeeter (Emma Stone), pleiteando um lugar no jornal local ela acaba pegando uma coluna de afazeres domésticos no diário. Como não sabe nada sobre cuidados do lar, pede ajuda a Aibileen (Viola Davis), empregada doméstica de uma amiga. Skeeter não vê com os mesmos olhos como os trabalhadores negros são tratados por seus empregadores, obrigados a usarem um banheiro especial ou não se alimentarem das mesmas comidas dos brancos, no caso segregação total. Skeeter não demonstra suas indignações com as amigas, porque logo seria retaliada, mas a amizade e admiração por Aibileen estimulam a moça a escrever algo sobre as experiências das domésticas em seus trabalhos, que muitas vezes cuidam e educam os filhos das patroas.

Daí o diretor e roteirista Tate Taylor desfia emocão e sensibilidade na medida, repleta de momentos tocantes e construindo seus personagens sem pressa e dando a eles o devido tempo em cena para engrandecer o filme com grandes atuações. Atrizes aparentemente limitadas como Emma Stone e Bryce Dallas Howard se superam, diria que a Hilly Holbrook de Bryce é um dos melhores vilões de 2011, a moça trás ao seu personagem a maldade e preconceito disfarçado e travestido de gente decente, rendendo momentos incrivelmente tensos. Então não bastasse a satisfação inicial de ver uma grande realização se formando, lá pelo meio do filme somos apresentados a incrível Célia Foote (Jéssica Chastain), que desde o seu primeiro momento enche o filme de vida, com sua personagem transgressora e conflituosa. O relacionamento que Celia desenvolve com Minny Jackson (Octavia Spencer), uma empregada calejada com as maldades das patroas, é um dos momentos mágicos da obra e rende um bocado de ternura. Definitivamente, Histórias Cruzadas é um filme empolgante e emocionado, os sentimentos pulsam na maioria das cenas, mesmo alguns sendo reprováveis e rendendo um bocado de raiva ao espectador, o que ainda cria uma ótima interação. Quanto a Viola Davis, essa é uma atriz excepcionalmente talentosa, merecia ser lembrada em uma premiação, mesmo que ache que isso não seja necessário para celebrar seu trabalho, mas seria bom ver seu reconhecimento e o dessa realização que figura fácil entre as melhores de 2011. 


8 comentários:

J. BRUNO disse...

Estou curioso demais para assistir, tinha combinado de ver ele ontem com amigo, mas então o DVD que ele tinha comprado de "Um Lugar Qualquer" chegou naquela tarde e optamos por ele... vou tentar assistir este o mais rápido possível, já deu para perceber que é uma história forte e bem contada, também gosto muito disso...
.
Confesso que ainda não tinha nem sequer ouvido falar deste filme, a presença de Ringo aliada á sua ótima análise me deixou curioso... vou acrescentá-lo á minha lendária lista de filmes a assistir... Parabéns pelo Blog e pela segmentação, o western é um dos gêneros com o qual tenho menos intimidade, teu Blog vai ser com certeza um bom canal para troca de dicas e informações... Forte abraço!
.
http://sublimeirrealidade.blogspot.com/2011/12/um-lugar-qualquer.html

renatocinema disse...

Adoro roteiros emocionantes e com sensibilidade.

Grande dica.

Abraços amigo.

Luís disse...

Eu estou ansioso para ver esse filme, acredito que vou vê-lo hoje. Mas estou impressionado com essa longa duração! Duas horas e meia?
Vamos ver como é, né! Aí volto aqui e digo o que achei.

Júlio Pereira disse...

Apesar de prever um melodrama, estou ansioso pra ver o filme desde que saiu o trailer. Sou apaixonado pela Emma Stone, que não é nem de perto uma atriz limitada (vide A Mentira). A premissa lembra muito Tomates Verdes Fritos e A Vida Secreta das Abelhas ou é apenas impressão minha?

Celo Silva disse...

Bruno, não deixe de assistir, um dos melhores de 2011;

Renato, uma boa opção esse;

Luis, passa voando!;

Julio, digo que é Emma Stone é limitada por fazer apenas comédias, não que ache ela fraca, o filme não tem nada a ver com esses q vc citou;

Abs a Tds!

J. BRUNO disse...

Celo!!!

Voltei agora a esta postagem porque acabei de assistir ao filme e me deparo com o meu erro de "Ctrl C, Ctrl V" acima, eu queria copiar o link e acabei copiando junto algo que postei em outro blog (FOI MAL!!!!)

Como eu te disse eu já estava louco para assistir, principalmente pela presença da Viola Davis, que me provocou arrepios com sua curta participação em Dúvida, mas quem me surpreendeu mesmo foi a Octavia Spencer (um Oscar please!)... Cara, estou com os olhos meio marejados até agora, o filme tem uma emoção contagiante e de alguma forma ele nos faz sentir bem, pretendo falar sobre isso quando for escrever a resenha dele...

Celo Silva disse...

Bruno, isso acontece...hehehe. Histórias Cruzadas tb é um dos meus favoritos para a temporada de premiação. Octavia Spencer trás uma atuação magnifica. Quero rever esse filme logo!

Abs!

LELLA disse...

Assisti no Festival do Rio. Já escrevi um texto; falta digitar. Vou deixar para publicar mais perto da estreia.

E reforço a indicação!
Eu amei o filme!