Filmes que retratam doenças, principalmente as terminais, são quase um gênero dentro do cinema. Normal, até porque quando uma formula dá ...

352 - 50% (50-50/Jonathan Levine/2011)


Filmes que retratam doenças, principalmente as terminais, são quase um gênero dentro do cinema. Normal, até porque quando uma formula dá certo é mais do que viável  haver visitas e revisitas, massificando o tema, o que ainda acaba rendendo exemplares de todos os tipos. Esse em questão, intitulado 50% é um filme sobre câncer, não há dúvidas, mas se diferencia dos demais por tratar o tema por uma visão até certo ponto cômica, mas sem deixar de ser emocional e humano.

A historia logo nos apresenta Adam (Joseph Gordon-Levitt), um rapaz radialista em uma estação pela internet que descobre que a dor que sentia nas costas é um câncer raro e em evolução. Então, o até então pouco conhecido diretor Jonathan Levine trás um retrato sensível e sincero da trajetória de Adam por essa terrível doença, cometendo momentos de destaque como os diálogos entre o protagonista e outros dois pacientes nas sessões de quimioterapia ou ainda as sessões de terapia com uma médica novata que rendem divertidas tiradas.

Em tempos em que cada vez mais somos vistos como estatística (como o próprio titulo sugere com a porcentagem de sobrevivência em relação aos portadores do mal), Levine lança um olhar mais humano aos seus personagens, sem momentos edificantes ou procuras desenfreadas por curas, mostrando pessoas vivendo e tendo que lidar com seus problemas e desconstruindo a idéia de que todos os pacientes devem se prostrar em sua doença, o que rende uma graça educada e lisonjeira, fazendo parecer que Adam poderia muito bem ser um amigo próximo. A boa e equilibrada presença de Seth Rogen como seu camarada de todos os momentos talvez confirme isso.

50% ainda é uma obra em que se faz notar que os envolvidos compraram a idéia do projeto, porque todos os atores aparecem muito bem, talvez Levine seja um bom diretor de atores ou os mesmos se sensibilizaram com a historia que se inspira em um caso real, porque desde Levitt  à Anna Kendrick, passando por Bryce Dallas Howard e os veteranos Anjelica Huston e Philip Baker Hall todos estão muito a vontade em seus papeis e mostrando talento e timing para mesclar a comicidade e dramaticidade necessária para fazer a trama fluir. As cenas finais são de marejar os olhos e fazem de 50% um bonito e tocante relato de uma doença tão sofrível.  


11 comentários:

Júlio Pereira disse...

É um dos filmes que estou mais ansioso nesse ano. E suspeito que o Joseph Gordon-Levitt leva o Globo de Ouro pelo filme. Bota fé?

Júlio Pereira disse...

E não tinha sacado o título antes =P

Rodrigo Mendes disse...

Curioso. Não posso dizer nada do filme ainda, quero assistir.
Não acho a Bryce Dallas Howard tão boa atriz assim, mas isso já é outra história.

Boa dica Celo!
Abs.

concordo em gênero e grau com sua crítica. a minha sai no domingo. está bem similar!

renatocinema disse...

Acho que essa junção que você cita entre "cômica" sem deixar de ser emocional e humano, pode e deve ser o grande X da trama.

A maioria dos filmes ou leva para o banal.....para fazer chorar, ou é superficial para e acaba sendo irrelevante.

Interessante frisar que Joseph Gordon foi indicado para o Globo de Ouro em comédia/musical, o que já denota realmente o tom do filme. Já estou bem curioso pra ver, mas vou deixar para assistir no cinema. Abraço!

alan raspante disse...

Gosto bastante do Joseph Gordon-Levitt, então já tenho um bom motivo pra ver. Gostei do primeiro filme do Levine no cinema (Doidão), tenho certeza que este também é bom!

Celo Silva disse...

Júlio, não cheguei a conferir o trabalho de tds os concorrentes, mas acho q Levitt deve ser uma boa pedida mesmo;

Rodrigo, Bryce está bem nesse, apesar de parecer limitada gosto dela, e em HISTÓRIA CRUZADAS ela brilha e surpreende;

Cinema Detalhado, valeu pela visita, espero tua crítica para dar uma conferida.

Celo Silva disse...

Renato, é justamente nesse ponto que 50% se difere, vale muito uma conferida;

Fabio, tb gostaria de conferir no cinema, talvez até veja, mas a ansiedade foi maior;

Alan, um bom filme mesmo, não vi DOIDÃO, mas fiquei curioso.

Abs a Tds!

Joseph Gordon-Levitt é um bom ator, cada vez melhor e mais maduro na sua versatilidade! Esse filme eu estou ansioso pra conferir, seu texto deixa todo mundo mais curioso, ainda bem que você gostou, rs! Já me disseram que ele era mesmo assim meio tocante, reflexivo e com bom humor, vou ver em breve! Se não for no cinema, vai em casa mesmo. abs

Celo Silva disse...

Cris, não deixe de ver. Grande filme!