As duas cine-séries em questão foram assistidas com amigos em divertidos encontros regados a nostalgia e filmes de ação. Isso ao longo de al...

346 - 347 - 348 - 349 - 350 - Duas Cine-Séries de Ação

As duas cine-séries em questão foram assistidas com amigos em divertidos encontros regados a nostalgia e filmes de ação. Isso ao longo de alguns meses e como a maratona cinéfila esta em reta final, esses filmes já estavam mais do que na hora de virem para o blog. Tanto Missão Impossível quanto Desejo de Matar foram realizações que marcaram seus tempos, uma trazendo novidades para o gênero que parecia meio defasado no final dos anos 90 e revolucionou ao mostrar o seu filme precursor como uma trama de ação quase ininterrupta inserida em uma boa historia, mesmo que baseada em uma serie de TV de sucesso nos anos 60 e a outra, mais antiga e sombria, trazendo um cidadão comum que após perder entes queridos para criminosos se rebela contra a criminalidade em si. Uma com o galã Tom Cruise, outra com o lendário ator americano Charles Bronson. Ambas marcaram época no cinema e no home-video e suas revisões são sempre divertidas e válidas:

- Missão: Impossível (Mission: Impossible/Brian de Palma/1996)

Lançado como Blockbuster no verão de 1996, Missão: Impossível conseguiu ir além do simples filme pipoca, trazendo uma interessante trama de ação orquestrada pelo talentoso diretor Brian de Palma. Nesse primeiro somos apresentados ao personagem Ethan Hunt (Tom Cruise) que acusado de ser o culpado da morte dos membros de sua equipe, tem que fugir de assassinos do governo e penetrar em uma verdadeira fortaleza comandada pela CIA. M: I é um filme que ainda impressiona pelas tomadas, como a cena em que Hunt se pendura no teto por um fio e desce em uma sala cheia de artifícios tecnológicos para detectar a mínima presença. Virou clássica e foi excessivamente copiada e parodiada, mas mesmo assim ainda faz o expectador prender a respiração. Outra seqüência que marcou e foi amplamente revisitada é a do helicóptero fugindo do trem-bala. Um filme que vale o jargão muito usado por um certo critico americano: “Trepida de Ação!”  

- Missão: Impossível 2 (Mission: Impossible 2/John Woo/2000)

Quatro anos depois veio a sua continuação, dirigida pelo mestre oriental de filmes de ação e conhecido pelo estilismo visual John Woo. Nesse filme, Hunt tem que pegar um terrorista internacional interpretado por Dougray Scott. Acho o filme mais fraco e em alguns momentos lembra a bobagem que é o filme das Panteras realizado no mesmo ano, a ação parece meio sem motivos em certos momentos do filme, apesar de guardar uma das melhores seqüências da franquia em que rola um duelo entre Hunt e o vilão, com direito a uma sensacional perseguição de motos e uma bem coreografada luta na praia. Como disse, Woo primou pela excelência visual em detrimento a uma trama mais envolvente.





- Missão: Impossível 3 (Mission: Impossible 3/J. J. Abrams/2006)

Dirigido por J. J. Abrams, um dos apadrinhados pelo Midas Spielberg no século 21, M: I: III demorou mais de meia década para sair do papel. Talvez a insatisfação do resultado final da segunda parte tenha rendido certa apreensão na hora de revisitar a franquia, mas em minha opinião (que talvez a maioria discorde), esse é o melhor filme. Concatena de maneira eficiente trama com ação, que não surge tão gratuitamente quanto antes, e trás o melhor vilão da franquia vivido pelo sempre talentoso Philip Seymour Hoffman. A trama humaniza Hunt, que tem que se virar entre o serviço de espião e o seu recente casamento. A ameaça é mais emocional e aproxima o expectador. Michelle Monaghan já mostra o seu talento para thrillers e o filme em si apresenta muitos bons momentos de tensão e emoção. Espero que a nova continuação, Protocolo Fantasma, com data marcada para 23 de Dezembro de 2011 tencione mais para esse do que para os anteriores.

- Desejo de Matar (Death Wish/Michael Winner/1974)

O ator Charles Bronson era tão querido na década de 80 e começo da década de 90 no Brasil que a toda poderosa Rede Globo tinha um espaço exclusivamente reservado para seus filmes nos domingos à noite. Desejo de Matar é um dos filmes que mais assisti na vida, delirava com as maneiras que o vigilante Paul Kersey (Charles Bronson) liquidava os bandidos. Se alguém me perguntasse meu filme preferido quando tinha um 14 anos, sem titubear responderia esse. Engraçado que essa primeira parte pouco tem haver com um cinema típico de ação, a obra do diretor Michael Winner, recorrente em trabalhar com Bronson, trás elementos de drama e um ritmo lento, apresentando o personagem Kersey como um arquiteto pacifico e dócil que entra em rota com a violência quando sua família sofre abusos e atrocidades nas mãos de criminosos de uma cidade infestada por um novo tipo de violência: a gratuita. A trama amostra um personagem que enlouquece internamente, criando um alter-ego tão terrível quanto os algozes e que vê em tratar violência com violência a única solução. Era para ser um filme menor, sem muitas pretensões e que provalvemente também era para ser uma obra única, mas fez tanto sucesso que rendeu diversas continuações, que se apresentavam cada vez mais sem fundamentos e por fim denegriram a imagem de Bronson, trazendo o errôneo estigma de que seria um ator ruim e canastrão.

- Desejo de Matar 2 (Death Wish 2/Michael Winner/1982)

Demorou – se 8 anos para que fizessem uma continuação de Desejo de Matar, o mesmo diretor Michael Winner achava que o ciclo de Paul Kersey se resumia ao primeiro filme e que uma continuação seria apelativa. A insistência da MGM com quem Bronson teve um longo contrato por fim convenceu Winner voltar a historia e cometer um filme que é bem inferior ao primeiro, mas que mesmo assim ainda tem seus atrativos e curiosidades, como trazer o ator Jeff Goldblum bem jovem em uma participação não creditada como um dos membros da gangue que é formada pelos mesmos algozes que conseguiram escapar das garras de Kersey no primeiro filme. Então, tudo o que ficou subentendido no anterior e não aconteceu, como a verdadeira vingança do homem, nessa continuação veio à tona. Trazendo um justiceiro muito mais violento que no primeiro filme e uma carga de cenas gore que no anterior não tinha. É um filme que carrega nuances de um cinema exploitation e que reafirmou a identificação que o público tinha naquela época com personagens que resolviam seus problemas no braço ou com chumbo grosso. Tanto Desejo de Matar 1 quanto o 2 eram filmes politicamente incorretos até o talo e  que se realizados hoje em dia dificilmente teriam um espaço tão abrangente quanto tiveram em suas épocas. 

 












11 comentários:

Gosto de MISSÃO IMPOSSÍVEL, principalmente o primeiro da série. Mas DESEJO DE MATAR nem pensar, nunca vi, nunca verei...

O Falcão Maltês

Eu tenho o box com todos os DESEJO DE MATAR. O primeiro e o terceiro são clássicos. :D

Quanto a MISSÃO: IMPOSSÍVEL, tenho vontade de rever o primeiro, mas vou deixar passar mais um tempo. Gosto muito do terceiro também.

Ah, eu também tenho o box de DESEJO DE MATAR, todos os filmes. Faz tempo que assisti, mas me lembro de ter gostado mais do segundo.

Abs!

Eu assisti o primeiro Missão impossível... mas, não consegui seguir adiante. Desejo de matar, apesar de falarem que é clássico, nunca vi, por falta de vontade mesmo! Aliás até tentei, numa noite dessas, há lonnnnnnnnng time ago... numa madrugada! Comecei a ver, mas parei nos primeiros minutos. Deu não... rsrsrsrsrs

bjk JoicySorciere - Blog Umas e outras...

J. BRUNO disse...

Também nunca vi nenhum da franquia de "Desejo de Matar", o primeiro "Missão Impossível" é quase um clássico do gênero, o segundo não deve ter sido mesmo tão bom, pois eu o vi e não lembro de praticamente nada da trama, o terceiro foi o único que eu vi no cinema, lembro que foi o primeiro filme que eu vi com amigos da faculdade, no já longínquo primeiro período, foi neste dia que comecei a trocar ideias sobre cinema com um dos colegas, que me apresentaria para alguns daqueles filmes que hoje são alguns de meus favoritos...

estou com vontade de rever, a série "Missão Impossível" e também de conhecer a de "Desejo de Matar"... quando estiver mais aliviado financeiramente pretendo comprar os boxs...

Júlio Pereira disse...

Tá intenso, em, Celo? Nunca vi nenhum desses, uma lástima. Os "Missão Impossivel" pretendo conferir em breve, pro lançamento do 4º. Ah, mas vale a pena, tá acabando o projeto (ou sacrifício) cinéfilo!

B-Cine disse...

Celão que posts incríveis. Nunca assisti a nenhum Missão Impossível. Já Desejo de matar conheço todos e tenho os dois primeiros. Deu vontade de rever.
Rumo aos 365 filmes. Faltam 15... hehehe
Abração.

Duas grandes cinesséries, mas eu também prefiro Missão Impossível...

Celo Silva disse...

Antonio, até entendo o repudio a DESEJO DE MATAR, não é para todos os gostos mesmo, mas é inegavel que fez muito sucesso;

Ailton, tenho o box com os dois primeiros, mas gosto muito do terceiro tb. Tó na espera desse novo Missão Impossivel;

Victor, sempre gostei mais do primeiro, mas acho o segundo bem legal tb.

Celo Silva disse...

Joicy, DESEJO DE MATAR é um filme muito datado, talvez para quem não é fã, seja dificil se envolver mesmo;

Bruno, pelo menos MISSÃO IMPOSSIVEL serviu para impulsionar sua cinefilia, bem legal isso, até pq ninguem começa assistindo BERGMAN ou KUBRICK. DESEJO DE MATAR hj pode parecer descartavel, mas teve seu valor;

Júlio, passa longe de ser um sacrificio, tinha visto alguns filmes desses a algum tempo, mas posterguei em postar, agora foi inevitavel não atualizar logo.

Celo Silva disse...

Brunão, meu caro, MISSÃO IMPOSSIVEL vale uma olhadinha escapista, bons filmes de ação;

Gilberto, acho q prefiro DESEJO DE MATAR, até pela nostalgia, mas é inevitavel dizer q MISSÃO IMPOSSIVEL tem uma qualidade bem maior;

Abs a Tds!