Um sujeito negro em meio a uma cidade racista na América dos anos 60 já seria um motivo interessante para se contar uma historia. Se esse su...

264 - No Calor da Noite (In The Heat of The Night/Norman Jewison/1967)

Um sujeito negro em meio a uma cidade racista na América dos anos 60 já seria um motivo interessante para se contar uma historia. Se esse sujeito for representado por um ator como Sidney Poitier ganha outras proporções, pois Poitier tem muito talento e nesse premiado No Calor da Noite, dirigido por Norman Jewison, ele destila todo seu repertorio, compondo um personagem forte, transgressor e icônico.

O desenrolar da trama começa com o assassinato de um empresário influente na pequena cidade de Esparta, no sul dos EUA. Logo, o negro Virgil Tibbs (Sidney Poitier), de passagem pela cidadezinha, é levado como suspeito para interrogatório. Em algum tempo percebe-se que ele não é culpado e ainda se revela como um policial experiente e  investigador de homicídios da cidade grande, deixando todos perplexos em Esparta. Como um negro poderia calcar um posto tão importante dentro da sociedade americana? Já que por muito tempo eles serviam apenas para trabalhar em plantações e servir a senhores, sendo na sua maioria analfabetos e de pouco cultura, isso na visão sulista racista é claro.

Então, uma das nuances de No Calor da Noite é o conflito entre a pequena cidade e o policial negro que se vê obrigado a solucionar o caso do assassinato, mesmo que para isso ele tenha que arriscar a própria vida, que parece ter muito pouco valor em Esparta. Em meio à avalanche de revelações e durante a dificultada investigação, Virgil desenvolve uma improvável parceria com o delegado durão representado por Rod Steiger, que ainda ganhou o Oscar por essa atuação visceral. O antagonismo entre os dois personagens é um dos pontos forte do filme, mas também é muito bonito ver florescer o respeito e amizade das duas partes, que de uma maneira ou de outra acabam mostrando facetas do ódio racial.

No total, No Calor da Noite foi premiado com cinco estatuetas do Oscar, incluindo melhor filme, mas dentre elas, nenhuma foi para Sidney Poitier. Sinceramente, uma grande injustiça, contradizendo a própria academia, que parecia ousada em premiar um filme que concorria com outros mais “acadêmicos” como A Primeira Noite de um Homem e Bonnie Clyde. Engraçado que o outro concorrente Adivinhe Quem vem para Jantar? também tinha como um dos protagonistas Poitier, que ainda havia ganho o prêmio quatro anos antes por Uma Voz nas Sombras do diretor Ralph Nelson (seria Poitier o melhor ator de sua época?).

14 comentários:

Um grande filme, Celo. E o Poitier já tinha levado o Oscar poucos anos antes. Foi o primeiro ator negro protagonista a arrebatá-lo.

O Falcão Maltês

Celo Silva disse...

Antonio, é vdd, vou corrigir agora. Publicar sem pesquisar dá nisso...hehehe..é pq não assisti UMA VOZ NAS SOMBRAS. Vlw pelo toque!

Taí um filme que sempre vi nas prateleiras mas nunca me fisgou para realmente assistir. :/

Hugo disse...

Se dúvida Poitier está entre os maiores atores da história, tendo seu auge nos anos sessenta.

Este clássico é um dos melhores sobre preconceito e racismo.

Além da dupla principal, vale destacar também a atuação de Warren Oates como um policial racista.

Abraço

Ótimo filme! Grande atuação de Poitier, além de possuir um tema sempre necessário e atual, apesar do estilo do filme acaba se tornando meio demodé para a época. Afinal, eram os tempos em que um novo cinema estava surgindo. Ele derrubou Bonnie & Clyde no Oscar.

Celo Silva disse...

Ailton, vale uma olhada, por muito tb o desprezei;

Hugo, Poitier é mesmo grande! Oates tem uma atuação destacada mesmo. Grande Filme!;

Fabio, nem achei o filme tão assim fora de moda para a epoca, achei até certo ponto ousado, mas enfim, certamente um novo cinema começava a aparecer no final dos anos sessenta.

Abs a Tds!

FILMAÇO!

Interessante que não acho que envelheceu, ao meu ver é sim ousado e a trama interessante até hoje. Poitier estava soberbo, mas é Steiger que detona com nuances perfeitas, o Oscar foi super justo.

Gostei de ver esse filme aqui, nem esperava que você fosse comentar dele. Como te disse, comprei ele na Livraria Cultura, recentemente, revi.

Muito bom mesmo!

abs

Celo Silva disse...

Cris, é um filmaço mesmo! Tenho q comentar sobre tds q assisto. Não posso deixar nenhum de fora. Steiger está muito bem mesmo, antagonismo da dupla principal acaba sendo uma grande força do filme mesmo.

Abraçao!

Beto disse...

Nossa!!!! Estou doido para assistir este filme. Até porque (coincidência) assisti ontem outro filme deste diretor, que achei genial: "O Indomavel" com o Paul Newman, que é fantástico. Vou ter que ver todos os filmes deste diretor. Recomenda mais algum dele?

Celo Silva disse...

Beto, assita No Calor da Noite! É um filme maravilhoso mesmo! O Indomado é otimo mesmo, senão me falha a memoria, o sensacional Paul Newman foi indicado ao Oscar por ele. Jewison é um diretor bem prolixo, tendo feito muitos filmes, destaco dele Crown, O Magnifico com Newman tb, muito bom, quero até rever. Mais recente, ele fez Hurricane com Denzel Washington, q tb é um bom filme. Abração!

David C. disse...

Esa película debe ser buena.

Celo Silva disse...

David, obrigado pela visita internacional, apareça sempre!

LELLA disse...

Eu sou fã do Potier!

Revi esse filme há pouco tempo. Passou num canal a cabo.

Numa atualidade onde se espancam alguém pela homossexualidade, esse filme fica atemporal em mostrar a carga de preconceitos no ser humano.

E Parabéns pelo texto!

Celo Silva disse...

Lella, vlw pelo elogio! NO CALOR DA NOITE é um filme atemporal mesmo, Poitier um ator excepcional!

Abs!