É notável o aparato para que Taylor Lautner se saia bem em cena nesse Sem Saída , dirigido por Jon Singleton , de obras como +Velozes +Furi...

259 - Sem Saída (Abduction/Jon Singleton/2011)

É notável o aparato para que Taylor Lautner se saia bem em cena nesse Sem Saída, dirigido por Jon Singleton, de obras como +Velozes +Furiosos e o premiado Os Donos da Rua de 1991. Mesmo a boa quantidade de talentosos atores, como Alfred Molina, Sigourney Weaver, Maria Bello, Jason Isaacs e até o excelente ator sueco Michael Nyqvist, protagonista da versão nórdica para Os Homens que não Amavam as Mulheres, e ainda cenas que favorecem o porte atlético do jovem ator, não conseguem esconder a falta de talento dramático de Lautner para a demanda de seu personagem.

Não que Sem Saída seja um thriller comercial ruim, não chega a tanto, fico em um meio-termo, principalmente pela atuação sem expressão de Lautner, que é um dos astros da franquia Crepúsculo, que vem a ser uma das mais lucrativas atualmente (?). A obra tem alguns furos no roteiro, soluções óbvias, cortes bruscos, como se o diretor tivesse preguiça em realizar algum plano-sequência, mas mesmo assim consegue segurar o expectador com um bom ritmo, cenas de ação e de lutas bem coreografadas e que remetem a produções feitas a moda antiga. Se o filme se propusesse apenas a explorar esse lado frenético de ação descerebrada, talvez passasse melhor, mas como a trama nos apresenta um romance, com viés platônico, acaba tendo nesse enfoque seus piores momentos, com cenas que chegam a dar vergonha.

Na trama, Nathan (Taylor Lautner) descobre que seus pais não são seus pais e se vê envolvido em uma conspiração de espionagem governamental, envolvendo seu verdadeiro pai (que seria um perigoso agente autônomo), agentes da CIA e agentes russos. No meio desse turbilhão, ainda arruma tempo para se enamorar com a vizinha Karen (a belíssima Lily Collins). Tirando os momentos do insosso romance, fica interessante assistir os bons atores trabalharem, principalmente Alfred Molina e Michael Nyqvist, que rouba praticamente todas as cenas em que aparece, mas o ator sueco merecia uma obra melhor para estrear em produções ianques.

15 comentários:

LELLA disse...

Isso de romancear um Thriller, termina dando nisso.

E só há poucos dias que vi "Os Homens que não amavam as mulheres", onde conheci a performance do Michael Nyqvist. O cara é muito bom!

Celo Silva disse...

Lella, Michael Nyqvist é um ator otimo mesmo, merecia uma estreia americana melhor, mas deve ser mais aproveitado. A versão sueca para O HOMEM QUE NÃO AMAVA AS MULHERES é muito boa, mas tó na espera da versão americana do David Fincher, promete! Vlw pela visita. Abração!

alan raspante disse...

Ou seja é válido como entretenimento? Talvez eu veja, mas provavelmente em DVD mesmo. Nada contra Taylor Lautner, mas do elenco de Crepúsculo ele é o mais fraco.

P.S.: Acertou no layout. Tá demais esse aqui O/

Abs.

Celo Silva disse...

Alan, vale como entretenimento sim, talvez em DVD as principais cenas de ação percam impacto e o filme se apresente até pior. Como não sou fã da SAGA CREPÚSCULO acho tds meio ruins, mas é opinião minha. Abração e obrigado pelo elogio, tenho me esforçado para criar um visual mais atrativo, q bom q gostou.

Taylor Lautner, mais um astro fabricado e empurrado goela abaixo. Tudo bem, sei que isso acontece no cinema desde priscas eras, mas no passado os estúdios tinham mais apuro em lançar estrelas. Esse rapaz é muito inexpressivo.

Celo Silva disse...

Fabio, é vdd, hj em dia muitos atores são lançados a patamar de astros com parcos sucessos, é o cinema procurando quem traga dindin para seus estudios. Enfim, cinema tb é negocio! Abs!

renatocinema disse...

Amigo, vi o trailer e não me empolguei.

Esse só verei no dvd.


abraços

Kamila disse...

Assisti a este filme hoje. Gostei das cenas de ação e acho que a história tem potencial para render outros filmes. O Taylor Lautner segurou bem a onda de protagonista e foi muita felicidade do diretor de elenco colocá-lo ao lado de um elenco bem experiente, que deu credibilidade, na realidade, ao longa.

Celo Silva disse...

Renato, como já disse, talvez em DVD as cenas de ação percam um pouco o impacto;

Kamila, concordo com vc q as cenas de ação são boas, mas discordo q Lautner consiga segurar a onda de protagonista, acho ate q em algumas momentos os coadjuvantes aparecem mais para tentar tirar o peso dos ombros do rapaz. De repente até rende uma continuação, pelo visto o filme tá fazendo sucesso;

Abs a tds!

Marcos Rosa disse...

Infelizmente no cinema daqui só me restam três não tão boas opções: conam, premonição e Sem Saída, nenhum deles empolga, mas acredito que este já está descartado.

Celo Silva disse...

Marcos, esse ano estamos mal de lançamentos no cinema, poucos empolgaram e em comparação a CONAN, SEM SAIDA talvez seja até melhor, mas enfi, melhor tirar no palitinho...hehehe...Vlw!

Ricardo Morgan disse...

Fiquei curioso, claro, pelas cenas de ação! Só espero que Taylor Lautner não lembre tanto seu papel na saga Crepúsculo! Abraços

Celo Silva disse...

Ricardo, pior q lembra sim cara, mas o filme tem até uma trama interessante, mesmo q com algumas cenas furadas, mas vale como um pipocão. Abs!

Laércio Cunha disse...

Esse Taylor Lautner nunca me enganou. Acho qualquer filme que ele fizer daqui pra frente, o rosto dele estará sempre fortemente marcado e atrelado ao "trabalho" que ele realizou na saga Crepúsculo. Taylor é só mais um rosto dessa nova geração de "atores" cinematográficos, sem profundidade, sem personalidade e sem conteúdo. Teu texto como de praxe muito bom. Abração amigo!

http://thecinefileblog.blogspot.com/

Celo Silva disse...

Laercio, Lautner e um ator q precisa provar muito mesmo, nem sei se segura por muito tempo. Só o tempo dirá mesmo. Vlw pelo apoio. Abração!