A maior preocupação do novo filme do diretor Steven Soderbergh , o sisudo Contágio , é fazer um registro o mais perto possível do real do qu...

295 - Contágio (Contagion/Steven Soderbergh/2011)

A maior preocupação do novo filme do diretor Steven Soderbergh, o sisudo Contágio, é fazer um registro o mais perto possível do real do que seria uma severa epidemia de proporções mundiais. Tanto que os conflitos entre os personagens não possuem muita profundidade, até para não tirar o foco do desenrolar da aparição do vírus MEV-1, extremamente mortal e que se alastra rapidamente pela população, sendo transmitido apenas por um toque ou tosse e ainda mais fatal que qualquer um que tenha aparecido antes.

Assim como em Traffic, Soderbergh cria uma teia de acontecimentos envolvendo responsáveis de todo o planeta, como a OMS, um outro órgão de saúde americano, um outro europeu e um asiático. No meio dessa busca para descobrir como surgiu o vírus e estudar uma possível vacina, a trama trata de toda a burocracia que envolve uma situação como essa e as nuances que podem surgir a partir dela, como o blogueiro representado por Jude Law que divulga pela internet que a cura esta muito mais perto do que parece, mas não é citada pelo governo, pois não vai gerar lucro para a indústria de remédios ou uma cientista que é seqüestrada em Hong Kong, aonde a epidemia parece ter começado, para assim obrigar que os próximos dos seqüestradores sejam um dos primeiros a receber a vacina.

Nesse ponto cientifico e técnico da situação, Soderbergh se sai muito bem, criando tensão e paranóia que infringe ao expectador, mas em algum momento, a falta de aprofundamento em tramas de personagens especiais do filme faz a realização tornar-se um pouco desinteressante. As ramificações de historias não congruem e se a intenção do epílogo era emocionar com as seqüências amostradas, o diretor não acerta nesse intento. O elenco de estrelas com Gwyneth Paltrow, Marion Cottilard, Matt Damon, Laurence Fishburne e Kate Winslet conseguem aproximar até certo ponto o expectador do drama e o diretor não se furta em matar alguns deles para tornar as passagens criveis, mas como ficou, Contágio parece um filme frio que soa como um interessante “alerta” e apenas uma razoável experiência cinematográfica. 


9 comentários:

Depois de ler seu texto, eu perdi totalmente a empolgação em ver este filme. Mas, ainda assim, vou conferir depois e sem pressa - confesso que mais por conta do ótimo elenco. E Kate Winslet? eu queria que você falasse mais do desempenho dela no filme. abs!

renatocinema disse...

Quando sair em dvd assisto.

E farei isso pelo respeito ao diretor, pois essa linha de filme, não costuma me agradar.

Me deu a sensação de que o bom elenco foi desperdiçado.

Rodrigo Mendes disse...

Deixei de vê-lo para conferir "O Palhaço" - Não me arrependi, mesmo! Rs.

Depois eu confiro. O elenco é de dar inveja, mas nem por isso a coisa pode ser tão boa. Bom é Soderbergh tb...mas ele anda meio frio no cine. Queria de volta aquele cineasta de "Sexo, mentiras e Videotape" Sabe?

Abs.

Emmanuela disse...

Bom, eu não me arrependi de ter visto esse filme na estréia. Adorei o desempenho dos atores e o célere desenvolvimento da doença conseguiu atrair minha atenção. Só gostaria que o filme fosse um pouco mais longo.

Maxwell Soares disse...

Toda essa ideia de epidemia, Celo, lembrou-me "Eu Sou a Lenda" e o vírus Krippin e o "Ensaio sobre a Cegueira". Esses filmes possuem uma forte tensão psicológica. É uma linha em que se bem explorada renderá bons frutos. Irei vê-lo. Até a próxima...

O Soderbergh é cheio de altos e baixos...

O Falcão Maltês

Amanda Aouad disse...

É isso, o filme se preocupa muito mais em criar essa idéia de "poderia ser real" e consegue, não apenas pelas escolhas de Soderbergh, como por toda a explicação científica a origem do vírus. Por isso, não acho que ele tenha se saído mal, cumpriu o que ele queria, apesar de não ter criado uma experiência especial, única, arrebatadora, ou seja lá mais o que poderia ter sido o filme, ainda mais com um elenco desses que acaba totalmente desperdiçado em personagens quase sem alma devido a falta de aprofundamento nas histórias.

abraços

Celo Silva disse...

Cris, o filme vale ser visto sim, qt a Kate Winslet, ela nem tem uma atuação tão avaliavel;

Renato, talvez o elenco é q atraia para o filme, sem ele, talvez passasse batido;

Rodrigo, quero assistir O Palhaço tb, deve ser uma otima experiencia. Rapaz, sabe q nem sou um entusiasta de Soderbergh, acho Sexo, Mentiras e Videotapes e Traffic bons, mas em sua maioria seus filmes são meio frios mesmo;

Emmanuela, tb curti assistir na estreia e não achei o filme ruim de td, somente nas ressalvas q fiz em relação a alguns pontos, como a seriedade em tratar da epidemia, mas respeito seu ponto de vista, a experiencia é de cada um, achei o filme até um pouco alongado para como ele trata o assunto;

Maxwell, esse filmes q vc citou, são mais emotivos, diferente desse, mas assim como Contágio tem seus momentos bons e ruins, vale uma olhada sim;

Antonio, concordo com vc;

Amanda, é isso q quis dizer tb, não acho o filme de td ruin, mas não emociona, é um relato mais serio da situação, o q acaba afastando o expectador, vendo td de uma maneira mais distanciada;

Obrigado a tds pela visita e Abs!

LELLA disse...

Eu também achei o filme enxuto, e até por conta disso, eu gostei.

Cello, eu já gostei do final. Quando mostrou o primeiro dia. Por conta de um simples gesto, foi o propagador de tudo. E lembrando o que o personagem do Fishburne falou para o garotinho... Ficou perfeito o final.

E a Kate esteve ótima :p
:)