Quando ventilaram que a historia de Planeta dos Macacos seria revisitada, pensei na hora: mais um desperdício de dinheiro. Como sou um freqü...

220 - Planeta dos Macacos: A Origem (Rise of The Planet of The Wapes/Rupert Wyatt/2011)

Quando ventilaram que a historia de Planeta dos Macacos seria revisitada, pensei na hora: mais um desperdício de dinheiro. Como sou um freqüentador assíduo de cinema, por muitas vezes, assisti o bem feito trailer de Planeta dos Macacos: A Origem, que muito me aguçou a curiosidade, principalmente com cenas que remetem à produção original de 1968. Bom, visto, sai feliz da sala escura com uma trama que respeita a historia original, focada em dramas, construção psicológica do personagem principal, o impressionante chimpanzé digital César (de novo o rosto de Andy Serkis é usado como base) e em escolhas, certas ou erradas, até levadas por sentimentos nobres, que levaram aos humanos serem praticamente extintos do planeta nas historias subseqüentes, que são linkadas de maneira crível nessa produção.

A obra do desconhecido diretor inglês Rupert Wyatt se mostra bem arquitetada desde seu inicio, quando o cientista Will Rodman (James Franco) parece ter descoberto uma cura para o Alzheimer, um composto, testado amplamente em chimpanzés, que parece aumentar a cognitividade dos mesmos. Quando o laboratório prepara uma apresentação para investidores, um dos animais cobaias, apresenta mudanças de comportamento, tornando-se violenta e atacando diversas pessoas, fazendo o projeto ir para a gaveta. Os animais são sacrificados, mas Will acaba levando para a casa escondido o filhote César, que desde o inicio apresenta inteligência anormal e aparentemente superior a dos humanos.

Muito do interesse da historia se firma na figura de César, que de animal dócil e cativante, passa a articulado, cheio de artimanhas e até violento. O filme também soa como uma certa critica a como tratamos os animais de experiências, seres que sofrem muito para trazer benefícios a humanidade, uma das questões é: será que vale a pena infringir-los tantas agruras? A produção não deixa de ter seu lado blockbuster, com algumas boas cenas de ação, principalmente a passada em uma ponte, perto do epílogo. Como ficou, Planeta dos Macacos: A Origem pode até emocionar, com um boneco digital realístico poucas vezes visto no cinema, que consegue transmitir emoções reais, que às vezes muitos atores não conseguem.

7 comentários:

Mais uma apreciação positiva deste filme, que parece que está agradando todo mundo. Interessante que, nos tempos de faculdade, fiz um trabalho na disciplina de Ética justamente sobre a questão do sofrimento imposto aos animais pelos humanos. Vou conferir! Abraço!

Rafael W. disse...

Parece ser um bom filme de ação, mas duvido que chegue aos pés do original.

http://cinelupinha.blogspot.com/

pudimdecinema disse...

Chegar aos pés do original é o mesmo que separar o líquido do gelo, mas parece que é bonzão. Quero muito ver, e talvez seja uma das opções minhas para ver no cinema

Abs!

Victor Ramos

Celo Silva disse...

Fabio, acho q esse tema da etica é um dos pontos q o filme quer tocar;

Rafael W., o original é imbuido de nostalgia, mas acho tb q a proposta desse não é ser equiparar ao original e sim transpor a ideia para os dias de hj, com tecnologia usada de maneira interessante para conceber personagens impressionantes q o antigo não tem;

Victor, vale uma olhada, o filme é interessante mesmo;

Abs a tds!

beto disse...

Estou doido para assistir este filme. Tá sendo bem críticado por muitos.

Celo Silva disse...

Beto, é um bom filme mesmo, vale uma conferida.

Pois é. Um ótimo filme que pegou muita gente, assim como vc, de surpresa.
Abs