Uma das nuances de se assistir tantos filme em um ano, é que muitas vezes não se esta com cabeça para filmes mais complexos e acabasse vend...

204 - Um Jantar para Idiotas (Dinner for Schmucks/Jay Roach/2010)

Uma das nuances de se assistir tantos filme em um ano, é que muitas vezes não se esta com cabeça para filmes mais complexos e acabasse vendo qualquer coisa ou produções que possa ignorar. Como esse Um Jantar para Idiotas, dirigido por Jay Roach, mais conhecido pelos filmes do agente Austin Powers. O interessante também, é que essas obras tapa buraco que são assistidas sem expectativa nenhuma podem surpreender. Mesmo que não chegando a um status de notável, Um Jantar para Idiotas consegue ser divertido e engraçado, se apoiando na boa química e timing cômico da dupla de protagonistas formada por Steve Carrell e Paul Rudd.

Na trama, Tim (Paul Rudd), é um executivo ascendendo na empresa aonde trabalha e que consegue impressionar seu chefe ganhando um cliente rico. Animado, o mesmo chefe, convida Tim para um jantar que promove todos os meses em sua casa. O intuito do encontro é que pessoas ligadas ao patrão levem outras pessoas risíveis ou idiotas como o próprio titulo sugere e ao final da noite uma delas é agraciada com o troféu de mais idiota. Nesse momento, é quando entra Barry (Steve Carrell) na historia, fiscal do imposto de renda, abandonado pela esposa, atrapalhado, mas sujeito de bom coração, que vive para o hobby de criar maquetes temáticas com ratos empalhados. Bom, nem preciso dizer que Barry é a vitima perfeita para Tim levar ao festival de aberrações do tresloucado jantar.
  
Um Jantar para Idiotas não deixa de ter piadas infames, tão comuns nas comedias americanas mais recentes, mas também não deixa de investir nos chamados “bromances”, historias de amizade entre homens que vem sendo cada vez mais exploradas no cinema ianque como em Superbad, Eu te amo, Cara, Segurando as Pontas, entre outros menos famosos. O filme também apresenta coadjuvantes conhecidos, como o sempre chato Zack Galifianakis e o sumido Ron Livingston. Um filme que talvez valha uma conferida, ainda mais como forma de escapismo

4 comentários:

Elson disse...

Li comentários falando tão mal desse filme( e olha que sou fã do Steve Carrell (The Office)) que nunca tive curiosidade de ver, mas pelo que vc disse, fiquei curioso em ver.
abs

Celo Silva disse...

Elson, da para dar umas boas risadas...e a sequencia inicial com varias maquetes é otima.

Bless Medicol disse...

Boa tarde...
primeiramente parabens pelo blog.. esotu lendo crítica por crítica...
Achei muito legal o seu blog, de verdade... estou separando vários filmes para ver...
E falar desse filme...
Eu, particulamente amei o filme..
Eu fui ver pensando em ser mais uma comédia, mas me deparo mais com um filme dramático...
Sim, isso mesmo, levei pelo genero de drama com umas pitadas de comédia.
Em certos ponto até emociona o filme...
Gostei muito.

Boa tarde...
primeiramente parabens pelo blog.. esotu lendo crítica por crítica...
Achei muito legal o seu blog, de verdade... estou separando vários filmes para ver...
E falar desse filme...
Eu, particulamente amei o filme..
Eu fui ver pensando em ser mais uma comédia, mas me deparo mais com um filme dramático...
Sim, isso mesmo, levei pelo genero de drama com umas pitadas de comédia.
Em certos ponto até emociona o filme...
Gostei muito.