Os irmãos Whitman ( Adrien Brody , Owen Wilson e Jason Schwartzman ) são mais três  personagens memoráveis na galeria de sujeitos estranhos...

215 - Viagem a Darjeeling (The Darjeeling Limited/Wes Anderson/2007)

Os irmãos Whitman (Adrien Brody, Owen Wilson e Jason Schwartzman) são mais três  personagens memoráveis na galeria de sujeitos estranhos do diretor Wes Anderson. Os irmãos perdidos com a morte do pai, resolvem embarcar em uma viagem pela Índia, dentro do trem Darjeeling Limited, que praticamente roda o país todos, atrás da despreendida mãe (Anjelica Huston), que tornou – se freira em um convento pobre e isolado.

O cenário se arma para Wes Anderson apresentar o seu repertorio de esquisitices comum as suas obras, como Excêntricos Tenebauns e A Vida Marinha de Steve Zisou, como um dos irmãos que liga a toda hora para pegar os recados na caixa postal da ex-namorada ou outro que tentou o suicídio jogando a moto em uma arvore. Interessante que, Viagem a Darjeeling é o filme que as singularidades  de Anderson funcionam sem incomodar muito o expectador, talvez o exotismo da Índia, aos olhos ocidentais, encobertem os maneirismo do diretor e ajudem a conceber o seu filme mais divertido. O obra não deixa de ser um road-movie, com o trio de irmãos protagonizando loucuras e romances inusitados no trem, visitando lugares pitorescos do país, aonde procuram a espiritualidade de que acham não serem dotados. Outro fato interessante, é que Wes Anderson sempre introduz em suas realizações algum tipo de tragédia, com cenas até melancólicas, mas que no fundo acabam soando engraçadas.

Viagem a Darjeeling é um filme que pode surpreender quem não gostou das obras anteriores do diretor, os atores principais apresentam química impressionante e timing cômico perfeito para encarnar os personagens saídos da cabeça desse inventivo realizador. Apresenta um perfil, mesmo que distorcido, do povo indiano, mas que não chega a desrespeitar. Alem do filme também ter um tom realista impressionante, colaborado pelas locações reais e boa parte das seqüências serem filmadas dentro do verdadeiro Darjeeling Limited. O epílogo, quando os irmãos encontram a mãe no convento e conversam sem se falar, através apenas dos pensamentos, é um dos momentos mais mágicos da filmografia de Wes Anderson.

4 comentários:

alan raspante disse...

Só conheço o filme "de nome", mas ainda não o vi, preciso reparar isso... Parece ser bacana!!

[]s

LELLA disse...

Vi que passou outro dia no canal a cabo. Mas como já tinha começado, eu só assisti um trecho. Quando eu ver de novo na grade dos canais, vou marcar para ver do início.

E Cello, faça um perfil no site Gravatar. É de fotos. Assim quando postar no Wordpress, e alguns sites, sua foto aparece.

Bom domingo!

Laércio Cunha disse...

Eu adoro os filmes do Wes Anderson. Pra mim o melhor é Os Excêntricos Tenenbauns, mas gosto deste também. Mandou bem no texto Celo, abração!

http://thecinefileblog.blogspot.com/

Celo Silva disse...

Laercio, Vlw! Tb acho os Tenebauns o melhor WEs Anderson, mas tb gostei muito do Sr. Raposo. Mágico! Abs!