Motivado pelo post do blog "Diário de um Cinéfilo", resolvi assistir Boca de Ouro e o filme realmente pode ser caracterizado como...

52 - Boca de Ouro (Idem/Nelson Pereira dos Santos/1962)

Motivado pelo post do blog "Diário de um Cinéfilo", resolvi assistir Boca de Ouro e o filme realmente pode ser caracterizado como uma obra - prima, pena que hoje em dia não tenha a projeção merecida, talvez pelas inúmeras versões posteriores tanto no teatro quanto no cinema do brilhante texto de Nelson Rodrigues que defazaram esse filme e também pela dificuldade de conseguir uma cópia de boa qualidade visual e sonora. Devo confessar que comecei a assistir o filme meio cético em relação a qualidade, pois não acreditava que Jece Valadão poderia entregar uma grande atuação como Boca de Ouro, o bicheiro de Madureira que comanda o crime no Rio de Janeiro e que sonha ser enterrado em um caixão de ouro, mas só a cena inicial dele no dentista pedindo para que arranque todos os seus dentes e substitua por dentes de ouro já me ganhou e relaxei e aproveitei essa realização do lendário Diretor Nelson Pereira dos Santos de Vidas Secas, então sogro de Jece Valadão que o convidou para fazer essa primeira adaptação de um texto de Nelson Rodrigues para o cinema. A trama são três versões do mesmo fato envolvendo um casal (Daniel Filho e Maria Lucia Monteiro) que se meteu com o Boca de Ouro e contadas por Guigui (Odete Lara, no auge da beleza), uma das ex - mulheres do Boca, a jornalistas, no dia da morte do bicheiro, que em diferentes momentos, levada pela emoção, emula as histórias com detalhes que levam a finais diferentes e surpreendentes, coisas que só textos de Nelson Rodrigues poderiam criar. Jece Valadão está perfeito, um digno gângster de filme noir, aliás o filme tem um certo visual noir e também me remeteu a Hitchcock em algumas cenas. Os diálogos são precisos, como um tiroteio, um fogo cruzado mesmo. A cena em que Boca fala para uma dondoca admiradora "Beija teu assassino" já se tornou uma das mais célebres do cinema para mim. Engraçado como muitos filmes brasileiros atuais parecem caretas e antiquados perto de Boca de Ouro, um filme ousado, com grandes atuações e super divertido. Nota 10.

5 comentários:

Pô, legal que o meu post te motivo a assistir o filme, Celo! I'm glad. :)

Quis dizer "te motivou"...

Celo Silva disse...

obrigado pela visita Ailton, seu blog é uma inspiração para mim
Abraço

B-Cine disse...

Mais uma jóia do nosso cinema, que carece de um tratamento a altura de sua qualidade.Fiquei curioso para assistir também.
Muito legal a sua interação com o excelente blog do Ailton (e vice versa) que também serviu de inspiração para fazer o B-Cine.

Celo Silva disse...

Esse é obrigatorio! Não deixe de assistir. Grande atuação de Jece Valadão, o eterno machão...hehe